APP - Associação Portuguesa de Psicogerontologia

Covid-19: instituições de solidariedade defendem redução de tempo de espera para vacinação de recuperados

Agência Lusa

Covid-19: instituições de solidariedade defendem redução de tempo de espera para vacinação de recuperados©

TVI24 Covid-19: instituições de solidariedade defendem redução de tempo de espera para vacinação de recuperados

O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), Lino Maia, disse hoje que não se devia esperar seis meses para vacinar pessoas recuperadas da covid-19, defendendo que esse período deveria ser reduzido para três meses.

“Eu não sou perito na área, mas gostaria que não estivéssemos à espera dos seis meses [para vacinar recuperados]. Gostaria que fosse à volta dos três meses porque seria uma medida preventiva que daria algum conforto”, considerou Lino Maia à Lusa.

O presidente da CNIS disse recear uma nova vaga de surtos nos lares portugueses “porque o estar vacinado não quer dizer que se esteja absolutamente imunizado, e também porque ainda há pessoas por vacinar, entre utentes e trabalhadores, pelo que há alguma fragilidade”.

Em relação aos trabalhadores não vacinados nos lares, Lino Maia considerou “que são poucos”, mas que “as instituições devem, se possível, colocá-los em atividades que não impliquem interação com utentes”.

“Mesmo no que toca a contratações, devem admitir-se aqueles que estão vacinados” em detrimento dos que não estão, defendeu.

Questionado sobre a necessidade de um novo confinamento dos lares, o presidente da CNIS, disse acreditar que “não é pelas visitas que tem havido problemas, nem pelas saídas” e que “tomar uma medida de confinamento dos lares para todo o país seria inoportuno”.

Contudo, considerou que “deve haver alguma cautela nos lares e comunidades onde há surtos” porque há sempre movimentações entre a população e as instituições.

Também a ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou hoje que não há necessidade de voltar a limitar as visitas a lares de idosos, advogando que as pessoas vacinadas contagiadas com o novo coronavírus desenvolvem “uma doença muito mais moderada”.

O padre Lino Maia assegurou que “nos lares da CNIS, neste momento não está nenhum [surto ativo]”.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) confirmou hoje à Lusa a existência de seis surtos ativos de covid-19 em lares portugueses.

Estes surtos correspondem a 54 casos de covid-19, parte deles já recuperados, acrescentou a mesma fonte.

A pandemia de covid-19 provocou 17.074 mortes em Portugal, resultantes de 866.826 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da DGS.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para saber mais consulte:

http://www.udipss-lisboa.pt/index.php

http://www.solidariedade.pt/site/mostrapdf/14241